EU ESCOLHI MINHA FILHA!

Diante de uma platéia de 5.000 pessoas ela contou sobre um telefonema recebido que mudou toda sua vida para sempre - Era sua filha na ligação: "Mãe, eu acho que sou bissexual."
Ao ouvir isso, ela buscou suporte na sua comunidade de fé que lhe disse: "você precisa escolher entre sua igreja e sua filha".
Ela ama sua comunidade fé e ama sua filha também! Em uma pausa dramática,  diante das 5 mil pessoas presentes, com lágrimas nos olhos, ela disse: "EU ESCOLHI MINHA FILHA!".
São muitas as pessoas que se veem diante desta escolha e precisam decidir entre coisas que amam, e pessoas que amam. Muitas mães são persuadidas a escolher a comunidade de fé, sob a alegação de que a Igreja sempre está correta em suas decisões sobre a vida humana. No entanto, está cada vez mais claro que as decisões religiosas que colocam a comunidade LGBTQI+ à margem do convívio religioso harmonioso, são um grande equívoco que precisa ser corrigido urgentemente.
Muitos religiosos têm carregado em suas mãos o sangue de inocentes que comentem suicídio ou são assassinados por serem quem são - um grande massacre vem acontecendo. Precisamos de uma intervenção urgente no meio religioso fundamentalista, arcaico, impraticável e de fé desprovida de amor, que julga e condena as pessoas ao inferno. Infelizmente, estes religiosos trocaram o exercício do amor, do respeito, da misericórdia e da aceitação pela toga dos tribunais, tornaram-se juízes.
"EU ESCOLHI MINHA FILHA!" - esta, de fato, foi uma decisão acertada.  Decidir pela vida humana, a despeito das liturgias, costumes, tradições e interpretações bíblicas equivocadas, é inteligência afetiva - "O AMOR DEVE PREVALECER EM TODAS AS COISAS!".
(Para assistir o vídeo em Português clique no link abaixo e selecione a tradução automática do YouTube):

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma reflexão sobre o Tempo (Esboço de pregação)

ARMAD@S E PERIGOS@S

Esterilidade Espiritual